NOTÍCIAS

Lagoon 42 – Campeão dos catamarãs abaixo dos 50 pés.

A primeira das três classes dedicadas a catamarãs para 2017 foi um caso decididamente francês, com três dos quatro concorrentes vindos da nação louca por vela, tem sido um dos focos de design de catamarãs e construção por décadas. Então não é nenhuma surpresa que a competição para os melhores Multihull completos abaixo de 50 pés, venha de uma batalha entre um trio de barcos de dois adversários e concorrentes a Barco do Ano de longa data: a Fountaine Pajot Lucia 40 e os Lagoon 42 e 450 S.

Antes de mergulhar na análise de categoria, seria negligência não mencionar o quarto barco na classe, um 39-pés afiado construído no Vietnã, o Seawind 1190 Sport. Embora minimalista, o Seawind é orientado a performance, e foi um competidor a altura na batalha de barcos mais tradicionais travada entre Fountaine Pajot e Lagoon, os juízes entenderam que seria um sucesso de crítica e como tal foi homenageado com um prêmio especial.

Isto deixou então os catmarãs franceses, começando com o Lucia 40 na disputa. "Fountaine Pajot tem estado no negócio há 40 anos, tempo durante o qual eles construíram cerca de 3.000 barcos, todos catamarãs," disse Tim Murphy.

"O Lucia 40 substitui o Lipari 41 na linha de montagem. Em um período de seis anos, construíram 200 unidades.

O Lucia pode vir em quatro diferentes layouts com até quatro cabines", acrescentou. "É um casco por infusão: eles fazem um molde fino de viniléster, e o restante é por infusão de resina. Os decks são moldadas por injeção. É interessante notar que a Fountaine Pajot constrói a maior peça injetada de qualquer indústria no mundo: os decks em alguns de seus maiores modelos. É impressionante.

"Uma vez que estávamos em curso, fiquei muito feliz", concluiu. "Eu senti que o barco seria um forte candidato antes mesmo que navegássemos, o que só foi confirmado uma vez que içamos as velas. O estaleiro atesta que é um barco de desempenho, e nossa teste de vela confirmou isso, atingindo 7,7 nós com pouco vento até chegar a 10 nós de vento real. Ele reagiu muito bem. Foi definitivamente mais fácil de manusear e de manter o controle de todas as linhas, em comparação com alguns dos outros catamarãs que já testamos."

Em seguida, foi a primeira dos dois Lagoons, a 450 S. "O ‘S’ significa 'top do esporte,'" disse Murphy. "Eles introduziram o 450 Lagoon, que era um modelo de flybridge, há seis anos, e neste período deve ter vendido em torno de 650 deles. O “topo do esporte” é tudo ao volante; o Lucia 40 tinha uma configuração semelhante. Realmente é um híbrido entre o anteparo tradicional de direção e um flybridge. Você acelera no meio do caminho e olha sobre o topo da cabine, para que você tenha boa visibilidade, mas não um verdadeiro flybridge. Houve muitos ajustes das bordas ao longo do tempo para chegar a este novo posto de comando, mas este é um projeto marginalmente novo."

Por outro lado, O Lagoon 42 é um modelo completamente novo que substituiu o anterior 421 na linha da companhia. "Havia 280 construídos, então é provável que seja um barco de alta produção," disse Murphy.

Com o 42, o Lagoon fez um esforço considerável para consolidar o piso plano e áreas de estar, tornando-se um espaço muito mais intuitivo, eliminando os compartimentos e escadas longas. Mas não pararam por aí.

"Uma das principais coisas que eles fizeram foi mudar o mastro na popa, que tinha grandes implicações estruturais," disse Murphy. "O Lagoon sente uma grande vantagem ali."

"Um dos aspectos positivos de retirar o mastro na popa foi que você pode expandir a foretriangle, e além de qualquer spinnakers que você pode voar, agora há um self-tacking jib,", disse Carol Hasse, nosso residente sailmaker. "É uma vela de proa maior, assim que você tem um pouco mais poder de lá agora e isso significa que o barco está um pouco menos dependente da vela grande, então o principal é menos de manual quando quer reef ou você está sob vela."

Tudo isso deixou os juízes com uma difícil decisão a tomar, o que acabou levando o Lucia 40 e Lagoon 42 da lagoa, a entrarem basicamente aos mesmos 18 dólares por libra. "É uma decisão difícil, uma decisão difícil," disse Hasse. "O Lagoon toerails e big cleats parecem mais substanciais para mim. Os assentos de proa eram confortáveis, e eu gostei das linhas vivas entre os cascos para a frente. O hardware Harken também é excelente."

Com dois barcos tão semelhantes, destacam-se as pequenas coisas. Além disso, quando foram dados os votos, O Lagoon 42 me pareceu uma partida real e evolução, é por isso que os juízes, nomearam o melhor 2017, Multihull completo abaixo dos 50 pés.

 

 

Mais imagens




  • Rio de Janeiro - Marina da Glória
    Rio de Janeiro - Barra
  • Angra - Verolme
    Angra